sexta-feira, 29 de julho de 2011

Despedida do Exército Brasileiro -


Neste momento em que encerro minha jornada de mais de 30 anos no Exército Brasileiro, e que tenho a oportunidade de dizer algumas palavras aos presentes, quero iniciá-las afirmando que vivi aqui,os momentos mais felizes e gratificantes da minha vida profissional e pessoal até o presente momento.

Quando entrei na carreira militar(e pe...rmitam-me incluir o saudoso Colégio Militar de Fortaleza onde ingressei com 11 anos de idade), tinha por objetivo algumas metas pessoais a serem conquistadas e com satisfação vejo-as todas alcançadas e algumas até superando as expectativas iniciais.Relembro como farol as duas ultimas frases da canção de meu estimado Educandário” Nosso ideal de pelejar não cansa. Para frente custe o que custar.

Assim ao longo de 11480 dias vividos nas cidades de Fortaleza ,Resende , São Gabriel, Rio de Janeiro, Alegrete, Picos, Grajau , Porto Franco, Santa Maria, São Paulo e Brasília consegui concluir muitas realizações que nesse momento me enchem de orgulho e satisfação.Servindo ao nosso valoroso Exército me foi possivel conhecer todos os Estados da nossa pujante federação e algunas nações amigas, em todos os lugares fui sempre recebido como um filho, criei raízes , plantei sementes e colhi os deliciosos frutos do trabalho.

Preocupei-me, aconselhado por meu saudoso pai Cel Sales do qual herdei a espada de oficial, em dar bem estar aos meus subordinados vendo em cada um os filhos e as filhas de minha propria ansia de viver.

Concluo, hoje, mais uma etapa de minha vida e, com muito orgulho levo a satisfação do dever cumprido e um grande número de novos amigos conquistados. Hoje, não obstante a emoção que sinto, já me é possível concluir que vivi uma rica experiência de revelação e crescimento humano e profissional. Portanto, o sentimento maior que tenho a externar é o de gratidão para com todos que interagi nessa jornada.

A Deus - princípio e fim de todas as coisas agradeço o dom da vida, por intermédio de meu pai – que se ascendeu – e de minha mãe Maria, graças a Deus ainda neste plano – me foi concedida a oportunidade de estar aqui hoje com vocês e a convivência salutar e fraterna com minhas irmãs Marieta e Herbene

Agradeço a todos os meus comandantes de ontem e de hoje pela atenção ,compreensão, amizade, dedicação, competência profissional. e imprescindível apoio que sempre me distinguiram.

Agradeço a abnegação e o desprendimento, além do dever, dos meus subordinados e pares. Rendo minhas homenagens a cada um dos oficiais , praças e funcionários civis que chefiei ou servi junto lado a lado, ombro a ombro. Testemunhei a sua dedicação infatigável na busca da autosuperação. De vocês recebi a palavra amiga e encorajadora, a disciplina consciente, o espontâneo respeito e o assessoramento correto . Honrou-me estar convosco. Ao contemplá-los e reconhecer o seu valor, renovo a minha crença na Instituição Exército Brasileiro e em nosso amado Brasil.

Aos muitos amigos da sociedade de tantas cidades que me acolheram agradeço a cortesia, amizade, consideração, colaboração e eficiência nas diversas ocasiões que labutamos e convivemos, o meu até breve com certeza estaremos juntos novamente.

Meu tributo aos camaradas da reserva, pela amizade e apoio recebidos, suas presenças constantes e ensinamentos foram o incentivo para a preservação das mais caras tradições do nosso Exército.

À sempre amada esposa Núbia Helena - compromisso e escolha pessoal livre e única para toda a vida - pelo carinho, amor,atenção, dedicação, aconselhamento e companheirismo em todas as horas e opções que juntos construímos.Temos por espelho os nossos olhos;
O teu riso é minha alegria,E o teu pranto, a minha tristeza.Se eu fechar os olhos, tu estarás presente;Se eu adormecer, serás meu sonho;E serás, ao despertar, o sol que desponta.És mais que minha sombra pois no escuro ela se vai e mesmo lá posso te sentir.



As minhas adoradas filhas Maria Helena e Maria Eduarda pelo apoio, dedicação, entusiasmo, amizade e beleza que me ensinam que somente um grande amor pode produzir grandes realizações, vocês são meu maior tesouro e certeza da vida eterna, mesmo após a hora final meus genes estarão vivos em vossa guarda.

Admirando a todos que aqui estão e na lembrança dos muitos que aqui não puderam estar, constato que o exercício desta nobre carreira me permitiu agregar uma legião de novos amigos. Portanto, o sentimento que me envolve não é tanto de afastamento ou perda, mas, reafirmo: de apreço e gratidão. Estarei à disposição de todos em minha nova comissão na Presidência do Centro de Informatica e Automação do Estado de Santa Catarina . É um novo desafio para o qual fui com a mesma alegria e entusiasmo . “Aproxima-se o momento da partida” no exemplo de São Paulo “combati o bom combate, completei a corrida, guardei a fé”.Nasci no seio de uma familia militar, fui criança , adolescente e adulto nas fileiras do nosso Exército, tenho 48 anos de idade 37 deles envergando uma das fardas do nosso Regulamento de Uniformes, como disse o General Octavio Costa.



“A farda ....é uma outra pele, que adere à própria alma, irreversível para sempre.”




Muito obrigado a todos que me honraram com sua amizade e presença pessoal ou espiritual.

Que Deus nos abençoe!

quinta-feira, 28 de julho de 2011

The game is over



At a time when I close my journey of more than 30 years in the Brazilian Army, and I have the opportunity to say a few words , I want to start by saying that I lived here, the happiest and the most rewarding moments of my professional and personal life until the present time.

When I entered the military career (and permit me include Military College of Fortaleza where I joined 11 years old), was engaged in some personal goals to be achieved and gladly see them all reached and some even exceeding expectations .Remember the last two sentences of the song my dear College "Our ideal is don't be tired of fighting. Forward at all costs."

Just over 11,480 days lived in the cities of Fortaleza, Resende, São Gabriel, Rio de Janeiro, Alegrete Picos ,Grajau, Porto Franco, Santa Maria, Sao Paulo and Brasilia could complete many accomplishments at that moment fills me with pride and satisfaction . Serving our valiant army I can stay in all states of our federation And some friendly nations everywhere I have always been received as a sun, I created roots, planted seeds and harvested the delicious fruits of labor.

I conclude today, another step of my life and I take great pride in the satisfaction of duty done and a lot of new friends won. Today, despite the emotion I feel, I can already conclude that I lived a rich experience of revelation and human and professional growth. Therefore, the greatest feeling I have is to express the gratitude to all who interacted on this journey.

The God - the beginning and end of all things, thanks for the gift of life, through my father Cel Sales- who ascended - and my mother Mary, thank God, still on this plane - I was given the opportunity to be here with you today healthy and living with my sisters Marieta and Herbene

I thank all my commanders from yesterday and today by the attention, understanding, friendship, dedication, professional competence and essential support that I have always been distinguished.

Thank you for your dedication and selflessness, and the duty of my subordinates and peers. Give my regards to each of the comissioned or non-comissioned officers, and civil who lead or serve along side by side, shoulder to shoulder. I witnessed their tireless dedication . You give me the word of friendship and encouragement, discipline conscious and the spontaneous and correct advice. You all honored me to stay with you. When i looked all and recognize their value, renew my belief in the institution in the Brazilian Army and our beloved Brazil.

To the many friends of the society in many cities that welcomed me, I appreciate the courtesy, friendliness, consideration, cooperation and efficiency in several occasions that we live ,soon we will be together again for sure.

My tribute to the retired oficcers , for friendship and support received, their constant presence and teachings were the incentive for the preservation of the great traditions of our Army.

For my always beloved wife Nubia Helena - personal choice and commitment for all life - I apreciate the affection, love, attention, care, counseling and companionship at all hours and options that together we build.

My beloved daughters Maria Helena and Maria Eduarda for the support, dedication, enthusiasm, friendship and beauty, that teach me only a great love can produce great achievements, you are my greatest treasure and assurance of eternal life, even after the final hour my genes will be alive in your guard.

Admiring everyone that is here and in the minds of many who could not be here, I notice that the exercise of this noble career allowed me to add a legion of new friends. Therefore, the feeling that surrounds me is not so much the removal or loss, but reaffirmed, appreciation and gratitude. I'll be available to everyone in my new commission as president of the Center for Informatics and Automation of the State of Santa Catarina. It is a new challenge for which I was with the same compromise and enthusiasm. "Come on the time of departure" in the example of St. Paul "fought the good fight, finished the race, kept the faith." I was born into a military family, I was a child, teenager and adult in the ranks of our army, have 48 years of age 37 one of them wearing uniforms of our uniform policy, as said by General Octavio Costa.



"The uniform is .... another skin that adheres to our soul, forever irreversible."




Many thanks to all who have honored me with their friendship and personal or spiritual presence.

God bless us!

quinta-feira, 21 de julho de 2011

Dez Destaques Ambientais do Brasil

O debate sobre a reforma do Código Florestal foi dominado pelos ambientalistas e por uma “ciência” manipulada. Entretanto o produtor rural continua sem voz nem vez. Grande parte da agropecuária continua ameaçada.

A sociedade brasileira juntamente com o setor agrícola quer que o novo Código Florestal garanta o direito de propriedade e a livre iniciativa, princípios básicos de uma economia sadia. O novo Código Florestal deve regularizar a situação ambiental dos produtores e, em segundo lugar, definir regras claras que possibilitem a expansão e o desenvolvimento das atividades agrosilvopastoris.

Não podemos engessar as nossas áreas agrícolas baseados em mitos ecológicos. O argumento de que a agricultura brasileira apresenta baixos índices de produtividade se comparados ao restante do mundo não é verdadeiro. Cumpre continuar crescendo a produtividade da agropecuária e também ocupar novas áreas para aumentar a produção agrosilvopastoril.

O estudo “Dez destaques ambientais do Brasil” do Dr. Evaristo Eduardo de Miranda apresenta serenamente como o Brasil já foi longe nas questões ambientais. Parte ele da realidade existente, não entrando no mérito das questões levantadas. Um estudo técnico de alto valor que pode servir de subsídio a todos os que lutam pela preservação do agronegócio e em defesa da propriedade privada.
D. Bertrand

Segue o texto do Dr. Evaristo Eduardo de Miranda.



Dez Destaques Ambientais do Brasil[1]

Evaristo Eduardo de Miranda

Doutor em Ecologia, pesquisador da EMBRAPA, Assessor da Presidência República

Apresentado como uma das fortes economias emergentes, o Brasil já é uma potência ambiental no cenário internacional. Porém persiste uma absurda e injustificada vitimização do País e de sua agricultura no tema ambiental, cultivada aqui e no exterior. Dez destaques ambientais relevantes ilustram com fatos e números a posição excepcional do Brasil.

1 – O Brasil tem a maior área protegida do mundo

O Brasil é o país com mais áreas protegidas em todo o mundo: 2,4 milhões de quilômetros quadrados, 28% do seu território. Em segundo lugar vem a China com 1,6 milhões de km2 de áreas protegidas, 17% de seu território. Em terceiro lugar está a Rússia, o maior país do mundo, com 1,4 milhões de km2, cerca de 8% do seu território. Em quarto lugar vem os Estados Unidos da América com 1,2 milhões de km2, 12% de seu território e em quinto a Austrália com 730 mil km2, 9% de sua extensão. A média mundial de áreas protegidas é 12,2%, segundo a IUCN (International Union for Conservation of Nature - www.iucn.org/).

Muitas das áreas protegidas desses países estão em desertos, montanhas íngremes, regiões polares etc. No Brasil, as áreas protegidas ocupam, em geral, terras com grande potencial de uso, de onde decorre parte da dificuldade de preservação.

Na maioria dos países – sobretudo os industrializados – os Parques Nacionais admitem presença de agricultura, pecuária, vilarejos, turismo etc. No Brasil, as Unidades de Conservação de Proteção Integral (443 mil km2), na imensa maioria, não admitem nem visitantes. A ONU considera o País como líder na criação de áreas protegidas: dos mais de 700.000 km2 de áreas protegidas criadas nos últimos sete anos em todo o mundo, 75% foi no Brasil! (www.brasil.gov.br/cop10/). As áreas protegidas já cobrem 54% da floresta amazônica brasileira.

2 - Brasil é um dos países que mais conservou suas florestas


Os desmatamentos erradicaram mais de 75% da área florestal do Planeta e restam hoje menos de 15,5 milhões de km2. A Europa, sem a Rússia, detinha mais de 7% das florestas do Planeta e hoje tem apenas 0,1%. A África possuía quase 11% e agora 3,4%. A Ásia já deteve quase um quarto das florestas mundiais (23,6%), hoje possui 5,5% e segue desmatando. No sentido inverso, a América do Sul que detinha 18,2% das florestas, agora detém 41,4% e o grande responsável por esse remanescente é o Brasil que preserva ainda 69% de sua vegetação natural. O Brasil possuía 9,8% das florestas originais do Planeta e, no prazo de dois séculos, devido aos desmatamentos realizados em todo o mundo, passou a deter 28,3%!

Se o desflorestamento mundial prosseguir no ritmo atual, o Brasil – por ser um dos que menos desmatou – poderá ser responsável, no futuro, por quase metade das florestas primárias do Planeta. Ao invés de ser reconhecido pelo seu histórico de manutenção da cobertura florestal, o País é severamente criticado pelos campeões históricos do desmatamento (www.desmatamento.cnpm.embrapa.br/).

3 – O Brasil é o único país a exigir que agricultores mantenham de 20 a 80% de suas propriedades com floresta nativa intocada

O Código Florestal brasileiro estabelece que de 20 a 80% da propriedade rural, em função do bioma onde se localiza, deva ser mantido com a cobertura vegetal nativa a título de Reserva Legal (Art. 1 § 2 – III). Essa “área localizada no interior de uma propriedade ou posse rural, excetuada a de preservação permanente” é considerada “necessária ao uso sustentável dos recursos naturais, à conservação e reabilitação dos processos ecológicos, à conservação da biodiversidade e ao abrigo e proteção de fauna e flora nativas” (www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L4771.htm).

A Lei também proíbe o uso de áreas consideradas de preservação permanente – APPs, associadas à hidrografia e ao relevo. No Censo do IBGE de 2006, os agricultores mantinham em suas propriedades 858 mil km2 de florestas (10% do território nacional), dos quais destinavam mais de 500 mil km2 à RL e APPs. Para cumprir a Lei, esse número deverá crescer e o total de áreas legalmente protegidas do Brasil se ultrapassará 60% do território nacional, um caso único em todo o Planeta.

4 – O Brasil é líder no uso de energia renovável

O País tem uma das matrizes energéticas mais limpas do mundo. Segundo os dados do Balanço Energético Nacional – BEN de 2010 – Ano Base 2009, 47,3% da energia brasileira provém de fontes renováveis (cana de açúcar, hidroelétricas, lenha e carvão e outros renováveis) contra uma média mundial de 18,6%. A média do uso de energia renovável pelos países da OCDE é de apenas 7,2 (http://ben.epe.gov.br/).

5 – A agricultura brasileira produz quase o terço da energia do Brasil

Além de ser grande produtora de alimentos e fibras, a agricultura garante 30,5% da matriz energética do Brasil, o equivalente de 68,3 milhões de toneladas equivalentes de petróleo (TEP). A cana de açúcar (etanol, cogeração de energia elétrica e outros) garante 18,3% da energia do Brasil e há anos ultrapassou a contribuição das hidroelétricas (15,2%). As florestas energéticas (lenha e carvão) garantem 10,3% da matriz.

Graças ao seu desenvolvimento tecnológico, a agricultura consome apenas 4,5 % de energia fóssil na matriz ou algo equivalente 9,1M de TEP para produzir toda essa agroenergia (http://ben.epe.gov.br/). Só a técnica do plantio direto – que eliminou a aração em mais de 266 mil km2 de produção de grãos – reduziu em 40% o consumo de diesel (www.febrapdp.org.br/).

6 - O Brasil pouco contribui para o efeito estufa pela emissão de CO2

O mundo emitiu 31,5 bilhões de toneladas de CO2 de origem fóssil em 2008. A China respondeu por 21% das emissões mundiais (6,5 bilhões de toneladas), seguida pelos EUA (19%), Rússia (5,5%), Índia (4,8%) e Japão (3,9%). Esses cinco países somam 53,4% das emissões planetárias. A China aumentou sua emissão em um bilhão de toneladas de 2005 a 2008!

O Brasil, com 428 milhões de toneladas anuais, ficou em 17º lugar (1,4%), bem atrás da Alemanha, Canadá, Inglaterra, Irã, Itália, África do Sul, Austrália, México, Indonésia e outros, segundo dados da Energy Information Administration (http://tonto.eia.doe.gov/).

7 - O Brasil está entre os que menos emitem CO2 por habitante/ano

A Austrália e os Estados Unidos são líderes da emissão de CO2 por habitante/ano: 20,3 e 19,9 toneladas! Só perdem para alguns países produtores de petróleo como Qatar (74 t) ou Emirados Árabes (43 t). Em seguida vêm o Canadá (17,9 t), a Holanda (17 t), a Estônia (16 t), a Bélgica (14,9 t) e a Rússia (11,7t). Com 17 t, a Holanda é uma das campeãs européias das emissões por habitante.
Cada brasileiro emite 2,1 toneladas de CO2 por ano, dez vezes menos do que australianos e norte-americanos, quatro vezes menos do que os europeus e metade da média mundial. Neste ranking, ocupamos a posição de 86º no mundo (http://tonto.eia.doe.gov).

8 – O Brasil é líder mundial em economia de baixo carbono

O quociente entre o total de CO2 emitido e o Produto Interno Bruto (PIB) dá uma medida da eficiência energética e ambiental das economias nacionais na geração de riquezas. Dada a variação da cotação do dólar entre países, o PIB foi calculado em função do poder de compra das moedas nacionais, o Purchasing Power Parities (PPP).

Os campeões de emissões de CO2 para gerar riquezas (os menos eficientes) são Coréia do Sul (1,45), África do Sul (1,38), Cuba (1,34) e Ucrânia (1,2). O Brasil, com um quociente de 0,24, é mais eficiente do que uma centena de países no mundo: ocupa a posição de 104º.

9 – O Brasil reduziu em 80% o desmatamento da Amazônia

Entre Agosto de 2009 e Julho de 2010, a Amazônia perdeu 6,45 mil km2de floresta, o menor patamar em 22 anos. É a menor taxa anual de desmate registrada pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), desde o início do levantamento, em 1988 (www.obt.inpe.br/prodes/). Com a taxa de anual de 6 mil km2, o Brasil se aproxima da meta de reduzir o desmatamento da Amazônia em 80% até 2020. Pelo cronograma, assumido em compromisso internacional, o país chegaria a uma taxa anual de 3,5 mil km2de desmate. O Governo cogita antecipar a meta para 2016 (www.casacivil.gov.br/.arquivos/pasta.2010-08-02.3288787907/ppcdam_Parte3.pdf).

10 – O Brasil é campeão de reciclagem

O Brasil lidera mundialmente, pelo sétimo ano consecutivo, a reciclagem de latas de alumínio, com um percentual de 96,5% do total comercializado no mercado interno, em 2007. Foram recicladas 160,6 mil toneladas de sucata de latas, o que corresponde a 11,9 bilhões de unidades ou 1,4 milhão por hora. Trata-se do maior resultado registrado pelo índice, desde 1990. O segundo colocado no ranking é o Japão, com 92,7% de reciclagem (que, lá, é obrigatória por Lei) (www.cempre.org.br/).

Em 2009, o Brasil foi o 9º produtor mundial de papel com quase 10 milhões de toneladas. Cerca de 50% do papel consumido no Brasil é reciclado. Mais de 80% do volume de papel ondulado consumido em 2009 (65% das aparas) foi reciclado, contra 68,2% em 1992. O índice só não é maior porque o Brasil aumentou muito suas exportações de produtos industrializados. Carne, frango, frutas, calçados e móveis entre outros, embalados em papelão ondulado, geraram reciclagem no exterior. A reciclagem de papéis de escritório (revistas, folhetos, papéis de carta, papel branco etc.) ultrapassa 40%. Essa reciclagem a reduz o consumo de energia e água, e induz um menor corte de árvores (www.bracelpa.org.br/).

EUA lideram a perda de florestas no mundo

Em artigo de 2010 nos Proceedings da National Academy of Sciences sobre o desmatamento, os EUA aparecem como quem mais desmatou suas florestas em todo o mundo, entre 2000 e 2005: 6% de suas florestas. O Canadá ficou em segundo lugar com 5,2% e o Brasil em terceiro com 3,6%. Em termos absolutos, o Brasil ficou em primeiro com a perda de 165.000 km2 de florestas, seguido de perto pelo Canadá com 160.000 km2. Os EUA ficaram em terceiro com 120.000 km2, segundo dados do Colégio de Ciências Ambientais e Florestais da Universidade de N. Iorque (www.pnas.org/content/early/2010/04/07/0912668107).

O excepcional desempenho energético e ambiental do Brasil e de sua agricultura não é uma licença para agir de forma irresponsável, mas em matéria de sustentabilidade existe uma injustificável vitimização do País.



--------------------------------------------------------------------------------

[1] Artigo na Revista Eco 21. Edição 173. Abril. RJ.(http://www.eco21.com.br/textos/textos.asp?ID=2426)

sexta-feira, 15 de julho de 2011

Esse Você Precisa Ver:

Encontrei o texto do post de hoje na Internet. É a mais pura das realidades. Todos nós(homens ou mulheres) em algum momento da vida já nos sentimos assim. Vinte e seis anos de casado me ensinaram isso. Amar não é ceder aos impulsos da alma ou do coração. Amar é acima de tudo viver sem ter mêdo ou arrependimento. Não é porque o amor não foi eterno que ele não é infinito. A certeza maior é que a vida não para, nossas realidades não podem ser mudadas da noite para o dia, temos compromissos, filhos, outros amores que necessitam ser cultivados tb. Quatro dias podem parecer pouco para viver algo importante, um encontro, um olhar, o tempo não importa, o que importa é ter vivido, causa dor sim mas valeu.São segredos que guardamos para sempre, talvez um dia sejam revelados no ocaso da vida ou num rompante isano. Não importa. Boa Leitura


'As Pontes de Madison'



Autor de pequenas obras-primas do cinema pós anos 2000 como Menina de Ouro e Sobre Meninos e Lobos, Clint Eastwood nunca irá perder sua imagem de cowboy de western spaguetti. Porém, por trás daquela pose de alguém que pode despejar o tambor de um revólver sobre o inimigo, e ainda beber um brandy antes de deixar o saloon, há a alma de um homem bastante sentimental. Isso começou a surgir quando Eastwood filmou Bird, cinebiografia de Charlie Parker, em 1988. Um cowboy contando a história de uma lenda do jazz? Algo estava errado. E ficou ainda mais "errado" quando Eastwood voltou ao Oeste e trouxe de lá Os Imperdoáveis, uma película de cowboy em plenos anos 90, que faturou Oscar de Melhor Filme e mostrou que mesmo no peito de quem segura uma espingarda de dois canos bate um coração.

Eastwood queria mais. Em Um Mundo Perfeito (1994), Clint fez de Kevin Costner um bandido foragido que seqüestra um menino, jogou um punhado de dólares sobre seu corpo (a cena final é arrepiante) e construiu uma amizade tocante aonde não deveria existir nada, como se flores pudessem nascer no asfalto. O resultado é acachapante, e abriu caminho para sua obra mais ousada até então: As Pontes de Madison. O que um cowboy sabe sobre o amor? Mais do que eu, você, e qualquer apaixonado pudéssemos imaginar. De natureza simples, As Pontes de Madison desenha um romance absolutamente perfeito em sua imperfeição. O roteiro brinca com os minutos, arrastando as cenas, como se quatro dias pudessem ser mais importantes que uma vida inteira. E podem. E são. Pouco menos de 100 horas que valem uma eternidade, ou duas.

Em As Pontes de Madison, Clint é Robert Kincaid, um fotógrafo da National Geografic que está no Iowa para fotografar antigas pontes cobertas, famosas na região, para uma reportagem da revista. Meryl Streep é Francesca Johnson, uma dona de casa que trocou a Itália pelo sonho de viver na América. Casou-se com um soldado, e anos depois se vê criando os dois filhos do casal na paisagem bucólica de uma fazenda em que pouca coisa acontece, e vive-se a vida porque se acorda todo o dia, e não porque se têm sonhos. Perdido, o fotógrafo pede informações na fazenda dos Johnsons, mas a família foi para uma feira agropecuária, e apenas Francesca está em casa. O que acontece após este esbarrão do destino é aquilo que a astrologia resume como "efeito urano": é quando uma pessoa faz uma "burrada" tão grande que detona a sua própria vida e a de outras pessoas. Bem, quase faz, e é neste fragmento do "quase" que reside a beleza deste filme.

Nossos dois personagens desse épico romântico moderno passam quatro dias juntos, se apaixonam, descobrem uma certeza que só se tem uma vez na vida, e são obrigados a escolher entre ficar ou fugir. A encruzilhada abre diversas possibilidades e questionamentos. O amor, tal qual o conhecemos, sobrevive a rotina? É possível ser feliz após ter detonado a vida de uma porção de pessoas para alcançar essa felicidade? O passado pode ser esquecido como se queimássemos uma folha de papel e jogássemos as cinzas pela janela? É possível amar e não estar com a pessoa amada? Essa história de alma gêmea é uma brincadeira divina (o homem lá de cima deve ser um cara extremamente divertido) ou podemos, num momento x de nossas vidas, encontrar uma pessoa que nos faça acreditar que caminhamos uma vida toda para chegar a este encontro?

Enquanto você matuta respostas, Robert e Francesca são condenados a viver o amor em silêncio. E não existe amor mais forte que este, pois "o amor é fogo que arde sem se ver, é ferida que dói e não se sente", e como carregar por toda uma vida um amor que só durou quatro dias? Amando. É cruel e inconcebível pensar assim, mas apenas quem ama verdadeiramente pode entender que após encontrar a pessoa amada, o mundo ganha um novo significado, e a vida se transforma em uma estrada de mão única cuja última e única parada é chamada apropriadamente de fim. O amor justifica a vida. Melhor sofrer por amor que viver sem amar, diria o poetinha. Por mais vileza que seja amar em silêncio, não há como fugir desse destino. Porque só amando é que vamos correr o risco de sermos amados e, nesse fragmento de sorte, sermos eternamente felizes. No entanto, não se entra em uma história de amor para se ser infeliz, mas a infelicidade está incluída implicitamente na hora que compramos o pacote. Dói, eu sei, mas é só assim que você poderá ter a chance de guardar quatro dias inesquecíveis para se lembrar para o resto da vida. Pode parecer pouco, mas não é... acredite.

Clint Eastwood abusa do direito de ser comovente em uma cena clássica: na chuva, Robert pára no meio da rua enquanto o marido de Francesca, que voltou com os filhos, faz compras. A cena se arrasta e Francesca segura a maçaneta da porta do carro com tanta força que deve ter sentido o objeto atravessar seu coração. Ela quer deixar o carro. Ela quer correr na chuva para o seu amado. Ela quer deixar a fazenda para trás, seus filhos, uma vida sem sonhos, mas a razão está ali despejando um mundo de motivos para que ela deixe o amor virar a esquina e partir para sempre, para longe de seus olhos, longe de seu corpo, mas não longe da alma. Ela se desespera, chora, e volta a viver porque viver é preciso, afinal, acordamos todos os dias a espera do fim. E com o fim, a crença no reencontro. Injusto? Não. O amor não tem nada a ver com justiça. O amor é maior que a vida. E talvez você entenda isso melhor quando tiver aquela certeza que nós só teremos uma vez na vida. Quando isso acontecer, tudo fará sentido. E amar em silêncio não será tão inconcebível. Porque enquanto o corpo sente falta do toque, a alma está totalmente completa. E, sabemos, um dia todos vamos ser apenas poeira no chão. Ou nos arredores de um ponte.

As Pontes de Madison é uma adaptação do famoso romance The Bridges of Madison County, de Robert James Waller, que supostamente é baseado em uma história real. Mais do que surpreender o espectador, que talvez nunca esperasse uma história de amor contada com tanta soberba e maestria por um dos heróis da classe western, As Pontes de Madison encanta por retratar o amor na idade adulta, quando pouco de nós espera alguma coisa a mais da vida, quando nossos sonhos de adolescência foram esquecidos, e a lembrança de que um dia sonhamos é algo que nos faz analisar e questionar toda uma existência. Quase ao final do filme, quando Francesca pede aos filhos que aceitem seu último desejo, dizendo que deu sua vida à família, e quer deixar para Robert o que restou dela, é impossível não entregar os pontos, as lágrimas, o coração e a alma para Clint Eastwood. Ele conseguiu algo que poucos conseguem: retratar o amor sem ser piegas ou cínico ou vingativo. E com isso, conseguiu filmar uma pequena obra-prima, mais uma de seu excelente currículo como cineasta, um filme que você precisa ver

http://www.screamyell.com.br/cinemadois/pontesdemadison.htm