sábado, 7 de maio de 2011

STF- União estável Homossexual - Completude

A respeito da recente decisão do STF convem que voltemos nossos olhos sobre um assunto polêmico , as novas relações entre homens e mulheres.É preciso entende-las não pela paixão mas usando a ótica da razão que é sempre mais eficaz para o entendimento do que é novo...é preciso superar situações e respeitar opiniões diversas, o mundo não muda de um dia para outro, mas mudança é o maior alimento da humanidade.Sugiro uma leitura atenta ao texto(compilado) do Site da Congregação Judaica do Brasil..


Um dos elementos da visão tradicional do casamento era o de que homens e mulheres são diferentes e incompletos um sem o outro , só encontrando completude ao se unir às suas contrapartes.. Esta questão é profunda e complexa e não pode ser esgotada aqui. No entanto, sabemos que, nos últimos anos, homens e mulheres vêm descobrindo e explorando partes de si que eram consideradas inapropriadas no passado. As mulheres estão aprendendo a lidar com seus atributos "masculinos" e os homens estão começando a desenvolver e valorizar os aspectos "femininos" de sua personalidade. Pode ser que, com o tempo, possamos encontrar masculinidade e feminilidade complementares dentro de nós, dentro de um grupo e dentro de uma série de relações cujas combinações e possibilidades ainda nos são desconhecidas. Se isto acontecer, então, não será mais verdade que cada um de nós só pode se completar através de uma união com o sexo oposto, mas sim que pode encontrar suas contrapartes e obter completude de uma infinidade de modos.Casamento é completude antes de mais nada, a evolução natural está nos levando para isso, não é falta de vergonha, carater ou qualquer outra coisa, é preciso abrir os olhos e ver além de nossos preconceitos para entender as novas gerações....

Extraido do Site da CongregaçãO Judaica Brasileira - http://www.cjb.org.br

Compilado e adaptado a partir de dois artigos: "Single and Jewish: Toward a New Definition of Completeness" de Laura Geller e Elizabeth Koltun, In the Jewsh Woman - New Perspectives, editado por Elizabeth Koltun, Schocken Books, 1976, e "To Be Single, Jewish and Female"' In Jewish and Female, de Susan Weidman Schneider, Simon and Schuster, 1984.
C. S.




"A democracia não é o regime que deve silenciar aqueles com os quais não concordamos, eliminá-los ou evitar que eles se manifestem. Na democracia, quando não estamos de acordo com alguma ideia que nos incomoda, produzimos a nossa para que haja um confronto livre entre as duas e a população possa escolher a sua alternativa."LUIZ CARLOS BARRETO




Cuidado para nào queimar os neurônios as idéias são fortes para alguns que já acham 1x1 complicado , posso até não concordar mas não posso fechar os olhos a realidade ...

Um comentário:

  1. Com certeza o novo mundo globalizado, multicultural e multiracial em que vivemos tem nos mostrado opções as mais diversas possíveis. Mas acredito que o respeito e a dignidade jamais sairão de voga em qualquer sociedade, a qualquer tempo. Caso as relações homo-afetivas venham a prevalecer no futuro, com certeza serão mais felizes e respeitados os casais que mantiverem um relacionamento de respeito mútuo e também ao resto do mundo. Entretanto, acredito que certos tabus serão muito difíceis de serem quebrados, como a aceitação plena de preferências homossexuais dentro das Forças Armadas, simplesmente porque ser militar implica em demonstração de força física antes de mais nada. Haja visto que os testes de aptidão física continuam valendo e estão cada vez mais difíceis, pois a competição do ser humano tende a se acirrar, e o emprego militar ainda é muito procurado.

    ResponderExcluir