sábado, 5 de dezembro de 2009

Poema do Amor

Querida esposa
Nossos caminhos sempre foram um só caminho.
Nossas almas, uma só alma.
Cantam para nós os mesmos pássaros:
E os mesmos anjos desdobram sobre nós:
As invisíveis asas.

Temos por espelho os nossos olhos;
O teu riso é minha alegria,
E o teu pranto, a minha tristeza.
Se eu fechar os olhos, tu estarás presente;
Se eu adormecer, serás meu sonho;
E serás, ao despertar, o sol que desponta.
És mais que minha sombra pois no escuro ela se vai e mesmo lá posso te sentir.

Nossos mapas são iguais,
E traçamos juntos os mesmos roteiros
Que conduzem às fontes escondidas
E aos tesouros ocultos.

Na mesma página do Evangelho encontramos o Cristo,
Partirmos na ceia o mesmo pão;
Meus amigos são os teus amigos,
E perdoamos com iguais palavras
Aqueles que invejam nosso amor. Não os culpamos é invejável mesmo.
Nossa leitura sempre foi à luz da mesma lâmpada,

Aquecemos as mãos ao mesmo fogo
E vemos em silêncio a desabrochar no jardim
A primeira rosa da Primavera em todos os rincões desse nosso imenso Brasil.
Fomos nos descobrindo nas nossas filhas a medida que cresciam,
E não mais sabemos distinguir em cada uma
Os meus traços e os teus,
O meu e o teu gesto,
Somos parecidos.
E nem o mundo nem a guerra nem a morte,
Nada mais pode nos separar,
Pois somos mais que nunca,
Em cada filha,
Uma só carne
E um só coração. Graças vos sejam dadas hoje e sempre adoradas filhas.
O homem não tem poder de separar o que Deus uniu.
O tempo senhor da vida nunca destruirá a aliança que nos prende,
Nem os amores , destruíram o nosso amor.
Querida Núbia
Que eu não tenha outro repouso que o teu peito,
Outro amparo que a tua mão,
Outro alimento que o teu sorriso.
E, quando na derradeira hora eu fechar os olhos para a grande noite,
Sejam tuas as mãos que hão de fechá-los.
E, quando os abrir para a visão de Deus,
Possa contemplar-te como o caminho
que me levou, dia após dia,
A fonte de todo amor.

A 25 anos nossos caminhos são um só caminho,
Nossas almas, uma só alma, nosso amor um só amor
Já não preciso estender a mão para alcançar-te,
Já não precisas falar para que eu te escute....
Eterno, duradouro, santificado amor, simplesmente amor...

Poema de Dom Marcos Barboza- Poemas do Reino de Deus - 1961
Adaptação em italico– João Rufino de Sales - 2009

Nenhum comentário:

Postar um comentário